Serra do Mar paranaense tem trem turístico com varanda

O trem turística da Serra do Mar do Paraná sai de Curitiba e segue para a cidade de Morretes, no litoral, em um trajeto que corta a serra do mar através da montanha. A viagem tem uma paisagem exuberante e o trem tem até vagão de luxo, com bar, para os mais exigentes. Agora, a última novidade inaugurada pela operadora ‘é um novo vagão com varanda panorâmica, onde o turista também pode optar por viajar sentado, apreciando a natureza de amplas janelas instaladas.

O trem chega a transportar 200 mil turistas por ano e conta com até 20 vagões por viagem, sendo seis de luxo com serviço de primeira classe: o vagão panorâmico, que entra em operação nesta sexta-feira; três litorinas, que também operam separadamente da composição; um vagão camarote; e o vagão imperial. Todos os espaços temáticos oferecem serviços diferenciados aos turistas. O carro original do vagão panorâmico é de 1954 e foi adquirido no Espírito Santo. O projeto retrofit foi inteiramente desenvolvido com materiais sustentáveis e madeira certificada.

O carro foi batizado de Barão do Serro Azul em homenagem a um importante personagem da história política e econômica do Paraná, Ildefonso Pereira Correia, considerado o maior produtor de erva-mate do mundo. O poderoso Barão, que foi tema de livros e filme, foi assassinado no km 64 da ferrovia Paranaguá-Curitiba durante a Revolução Federalista.

O PASSEIO –  O trem turístico funciona há 22 anos na estrada de ferro que tem 134 anos e é localizada na maior área contínua de mata atlântica, declarada pela UNESCO como Reserva da Biosfera. Túneis, pontes, picos e montanhas enchem os olhos dos turistas ao longo de todo trajeto. Entre os destaques estão o Parque Estadual Marumbi, Cascata Véu da Noiva e a Ponte São João que, desde 1885, “tira” o fôlego dos viajantes que passam pelo seu vão livre de 110 metros de altura e que, agora, também pode ser apreciado diretamente da varanda do novo vagão. O passeio pela cidade histórica de Morrentes inclui um almoço típico, onde o prato principal é o tradicional barreado. O retorno pode ser de trem com direito ao Pôr do Sol subindo a serra ou pela Estrada da Graciosa. O caminho colonial segue uma trilha da época dos tropeiros. O roteiro histórico é florido e sinuoso com seis mirantes e áreas de refúgio.