A descoberta da poesia no paisagem

Enquanto alguns poetas viraram homenagem a cidades e avenidas brasileiras, outros se tornaram o próprio atrativo turístico em monumentos, museus e até mesmo o principal encanto em palavras gravadas ao longo de trilhas de parques naturais.  Veja pontos turísticos do País embalados pela história e importância do lirismo brasileiro.

Salvador respira poesia em seus espaços públicos. Um dos símbolos da cidade é a praça Castro Alves – o “poeta dos escravos”, autor de O Navio Negreiro –, que conta com monumento de 11 metros de altura em homenagem ao artista que é sinônimo de liberdade. No local, se tem uma das mais belas vistas da Bahia de Todos os Santos, principal cartão postal da capital baiana.

Já o poema “Tarde em Itapuã”, escrito por Vinícius de Moraes e musicado por Toquinho, imortalizou uma das praias mais visitadas pelos turistas da capital da Bahia. A praia inspiradora de poetas e compositores também abriga o Farol de Itapuã, a praça Vinícius de Moraes com estátua do poeta e a praça Dorival Caymmi em homenagem a outro baiano parceiro de Moraes.

A poesia também vibra em passeios pelo casario colorido do Pelourinho, sítio histórico patrimônio da humanidade, onde o turista pode visitar a Fundação Casa de Jorge Amado, instituição cultural dedicada ao famoso escritor modernista e que oferece um café estiloso, exposições e livraria. Se estiver no Rio Vermelho, outro distrito cultural de Salvador, dá para conhecer também a residência onde Amado e Zélia Gattai viveram e escreveram boa parte de seus livros.

Outra opção para turistas que visitarem a Costa do Cacau, na região de Ilhéus, é explorar um roteiro cultural inteiramente voltado para a literatura de Jorge Amado: além de visitar a própria casa do escritor, dá para percorrer as ruas do centro histórico conhecendo atrativos como o bar Vesúvio e o famoso cabaré Bataclan do romance “Gabriela, Cravo e Canela”, escrito em 1958.

No Rio de Janeiro, enquanto a Academia Brasileira de Letras – fundada pelo escritor Machado de Assis – oferece visita guiada para turistas interessados em poesia romântica e literatura, na orla o turismo também ganha licença poética. Uma das paradas obrigatórias para visitantes é posar para a foto com a estátua de Carlos Drummond de Andrade em um banco da Avenida Atlântica, em Copacabana, ou caminhando com Tom Jobim e seu violão, em Ipanema. A poesia de Jobim é uma das mais cantadas no Brasil e no mundo.

Recife (PE) é mais um destino cheio de atrativos ligados à poesia, além dos sobrados e casarões que abrigaram escritores como Clarice Lispector, Gilberto Freire e Capiba, o “mestre do frevo”, autor de mais de 200 canções sobre Recife e Olinda. A estátua do mestre contempla a paisagem do Rio Capibaribe, na Rua do Sol, onde termina o desfile do Galo da Madrugada. Outro clássico roteiro turístico da capital pernambucana inclui a escultura de Manuel Bandeira, precursor do Movimento Modernista, e a estátua de João Cabral de Melo Neto, autor da célebre obra Morte e Vida Severina – ambos na Rua da Aurora. Já Luiz Gonzaga, o “Rei do Baião”, saúda quem passa pela antiga Estação Central e pela Casa de Cultura, antiga Casa de Detenção do Recife, atual mercado de artesanato da capital.

Em Porto Alegre, a Casa de Cultura Mario Quintana ocupa o antigo Hotel Majestic, no Centro Histórico da capital dos gaúchos. O prédio restaurado abriga acervo sobre o poeta, com direito à reprodução do quarto onde ele viveu durante 12 anos (entre 1968 e 1980). O atrativo cultural conta com cinemas, duas salas de teatros com capacidade para 300 espectadores e cinco salas para apresentações artísticas. O Café dos Cataventos é uma homenagem à primeira obra literária de Quintana, chamada Rua dos Cataventos.

Uma experiência diferente para quem busca poesia longe dos centros urbanos pode estar no Parque Nacional Grande Sertão Veredas. O nome do parque é uma homenagem a uma das mais importantes obras literárias do Brasil: Grande Sertão Veredas, de Guimarães Rosa. Durante os passeios pelas veredas, mirantes, trilhas e cachoeiras, os visitantes são brindados com citações da obra do escritor. O romance retrata com extrema sensibilidade a realidade regional onde a unidade de conservação está inserida, repleta de passagens que descrevem os locais, a relação do homem com a natureza e as características culturais, ainda hoje encontradas pelos visitantes. A área preserva recursos naturais e culturais numa área de 230 mil hectares entre Cocos (BA) e os municípios mineiros de Chapada Gaúcha, Formoso e Arinos.

Entre grandes e pequenas, a poesia está em todas as cidades. Em São Paulo, a Casa das Rosas – Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, na Avenida Paulista, é um dos atrativos de pura poesia e cultura na maior cidade da América Latina. Já no pequeno município de Gonçalves Dias (MA), o batismo da cidade é uma clara homenagem ao poeta maranhense imortalizado pela Canção do Exílio.

No Rio Grande do Sul, a cidade de Cruz Alta, terra de Érico Veríssimo, abriga um museu na casa onde nasceu o poeta gaúcho. O local recebe milhares de visitantes para conhecer os manuscritos do escritor, fotos e a máquina de escrever, entre livros e outros objetos. No Nordeste, Fortaleza tem o Teatro José de Alencar e também preservou a casa onde viveu o poeta, homenagem ao autor imortalizado na obra “Iracema”. A estátua da índia reúne turistas para foto na orla da capital cearense.